Qual relação entre a Doença de Alzheimer e a nutrição?

Tempo de Leitura: 2 minutos

Uma das hipóteses mais aceitas relacionadas à doença de Alzheimer (DA) é a cascata de neuroinflamação, que está correlacionada com a inflamação sistêmica e pode ser originada por imunosenescência, tecido adiposo e/ou desequilíbrio intestinal. Diante disso, existem vários nutrientes antioxidantes e/ou anti-inflamatórios ou componentes alimentares com propriedades epigenéticas, o que certamente pode ajudar a atenuar ou adiar o desenvolvimento da doença. Padrões alimentares inadequados podem facilitar o desenvolvimento da doença, enquanto um estilo mais saudável, como a dieta mediterrânea, pode exercer efeitos positivos. Entenda tudo sobre a doença de Alzheimer e a nutrição.

Nutrição no manejo da doença de Alzheimer 

Estudos mostram que a dieta do mediterrâneo pode auxiliar no manejo da doença de Alzheimer. A maior adesão a esse padrão alimentar pode fornecer benefícios para reduzir o risco de problemas cognitivos, demência em pessoas cognitivamente saudáveis e progressão diminuída de comprometimento cognitivo leve para o Alzheimer. A dieta do mediterrâneo é uma fonte importante de nutrientes, como ácidos graxos monoinsaturados, ácidos graxos poliinsaturados, micronutrientes e antioxidantes derivados do consumo de nozes, frutas, vegetais, legumes, cereais e peixes, com ingestão moderada de álcool, carnes vermelhas e laticínios, o que confere benefícios consideráveis, atuando nos processos patológicos envolvidos no Alzheimer. 

Assim como a alimentação pode auxiliar no manejo da doença de Alzheimer, uma alimentação inadequada pode favorecer a progressão. Uma baixa ingestão de gordura e alta ingestão de carboidratos processados aumenta instantaneamente os níveis de glicemia pós-prandial. Esta condição interrompe as proteínas séricas, favorecendo a formação de produtos finais de glicação avançada. Eles são altamente induzidos pelo consumo de frutose, comumente utilizada pela indústria alimentícia. Além disso, alteram a homeostase lipídica no cérebro e aumentam permanentemente a insulina/sinalização do fator de crescimento semelhante à insulina, afetando a função normal e a integridade da membrana neuronal, incluindo transportadores de glicose, promovendo dano celular cerebral, seguido de mudanças comportamentais e cognitivas. 

Prática clínica 

Os nutrientes participam da formação, desenvolvimento fisiológico, anatômico, e manutenção da saúde cerebral. Vários nutrientes têm sido estudados na busca de mecanismos desencadeados pela patologia da doença de Alzheimer. A alimentação pode auxiliar no manejo da doença de Alzheimer, sendo a dieta do mediterrâneo o padrão alimentar mais recomendado. 

Referências bibliográficas 

Sugestão de estudo: A alimentação pode auxiliar na prevenção da doença de Alzheimer? 

Assista o vídeo na Science Play com Daniela Seixas: Exercício físico e prevenção do déficit cognitivo 

Artigo: Alzheimer and nutritionMuñoz Fernández SS, Lima Ribeiro SM. Nutrition and Alzheimer Disease. Clin Geriatr Med. 2018;34(4):677-697. doi:10.1016/j.cger.2018.06.012

 

Nos siga nas redes sociais

Mais lidas

Próximos eventos

Artigos relacionados